sábado, 28 de abril de 2018

135.

(A minha profissão obriga-me ao sigilo profissional, que eu entendo, respeito e mais que tudo, APROVO. Cada pessoa tem direito à sua privacidade! Como tal, nunca irei aqui falar de ninguém especificamente, nem "em tempo real", nem sequer de onde me encontro com estas pessoas)

Trabalho num serviço pediátrico e, embora em todos os serviços - com crianças ou adultos - haja histórias de vida que não nos iriam ocorrer nunca serem possíveis, a verdade é que é aqui, junto de crianças desde as 0h de vida até aos 18 anos, que mais tenho visto e ouvido coisas realmente chocantes.

Saber que há meninas de 12 anos que, com a maior naturalidade do mundo, dizem (cit.:) "nunca fiz sexo vaginal, mas tudo o resto, já experimentei", leva-me a ter medo POR ELA...
Saber que há meninas de 16 anos que, com a maior vergonha do mundo, dizem (cit.:) "Eu ia a casa daqueles homens porque queria comer. Eles só me davam um pão depois de fazer coisas com eles", leva-me a ter medo DELES.

Vivemos num mundo podre. Vivemos num mundo em que o carácter ficou na gaveta, os escrúpulos eram coisa do antigamente e o respeito é uma utopia.

4 comentários:

Ana disse...

É chocante... Infelizmente estamos num ciclo do qual será difícil sair...
Beijinhos,
https://chicana.blogs.sapo.pt/

C. disse...

E foi por isso e por outras que tais que eu ODIEI trabalhar em Pediatria. Crianças abandonadas, mães adolescentes, miudas violadas... epá, consigo lidar com tripas, ossos partidos, um corpo todo aberto mas isso eu não tenho estômago.
Depois perguntam-se o porquê da nossa profissão ser tão dificil e de entrarmos em burn out ou depressoes. Yah, I wonder!

Beijinhos,
O meu reino da noite ~ facebook ~ bloglovin'

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Meu Deus, tuas citações, são realmente de arrepiar. A degradação da espécie chega ao mais baixo nível em todas as camadas sociais, como se constata. O miserável vende o corpo por um pedaço de pão e o milionário vende alma, honra, moral, família, exemplo por apenas algum bilhões de dólares. Cada um tem seu preço, mas o mesmo caráter. Bela e tenebrosa postagem. Parabéns! Grande abraço. Laerte.

A Pimenta* disse...

Estou chocada. Hoje em dia, há uma pressa enorme em viver certas situações.